Lehrenkrauscafe Forums Lehrenkrauscafe Forums Lehrenkrauscafe Forums
  #1  
Antigo 28-12-2009, 23:26
Avatar de Drake
Drake Drake está offline
Membro Cappuccino
 
Data de Entrada: Nov 2008
Local: Porto
Mensagens: 3.555
Padrão A Volkswagen e a Dimensão Holística da Marca.

Um exercício muito claro para entendermos a complexidade do tema das marcas é tentar concentrarmo-nos numa grande marca e a partir daí interpretar as suas dimensões.
A título de exemplo, uma das marcas mais respeitadas do mundo é a Cruz Vermelha:
Não há dúvida que esta marca tem todos os elementos de uma grande marca.
Um óptimo logótipo, pois num cenário de guerra e de tensão extrema, as duas partes beligerantes têm que o reconhecer de imediato.
Estes dois beligerantes, em princípio, sabem que aquele logótipo, seja lá onde quer que esteja aplicado (camiões, tendas, edifícios…), não deve ser alvo de bombardeamento.
Este é um logótipo que serve plenamente a sua primeira missão: a de identificação.
Mas para que os dois beligerantes não optem por bombardear esta marca, ela tem que ser reconhecida como tendo uma importante missão, ou seja, reduzir o sofrimento humano num cenário de guerra.
Esta missão é importante e relevante para ambas as partes envolvidas!
Mas para que esta marca possa cumprir esta nobre missão é necessário que cumpra um dos seus valores fundamentais, a imparcialidade em cenário de guerra.
No caso de a Cruz Vermelha não ser isenta, a parte lesada sentir-se-ia legitimada para a atacar.
Do ponto de vista técnico, esta grande marca não o é por ser apenas o sinónimo de uma boa causa, pois as marcas não são boas nem más, mas sim o uso que se faz delas.


A título de exemplo, e correndo o risco de gerar controvérsia (não me levem a mal), mas pretendendo centrar a analise do ponto de vista meramente técnico, a marca que se segue e o seu símbolo são bem ilustrativos daquilo que é uma marca forte:


http://pt.wikipedia.org/wiki/Su%C3%A1stica




Esta foi uma grande marca, mas de uma má causa, tecnicamente muito bem gerida nos menores detalhes e aplicações.
Dotada de um fortíssimo corporate identity, uma forte promessa de marca (supremacia da raça Ariana), valores fáceis de identificar e utilização com mestria das ferramentas de comunicação, veja-se a título de exemplo os Jogos Olímpicos e o Cinema Alemão.
Uma grande marca tem que estar presente em todos os momentos de vivência com a marca.
Obviamente o que se pretendia com estes dois exemplos era originar alguma dissonância cognitiva, numa interpretação excessivamente técnica de marcas com valores culturais e humanos totalmente opostos, mas ambos representativos da complexidade e da dimensão “holística” da marca.
A marca é sempre e também uma forte cultura organizacional que visa a convergência de esforços e energias numa única direcção, não deixando de ser curioso que ambas as marcas referidas neste texto tivessem optado por uma organização de tipo militar, embora com objectivos tão distintos.


Um último exemplo, que não só ilustra bem o exposto é bem visível na figura abaixo:





Nesta imagem vemos Ferdinand Porsche a apresentar ao Führer e a Himmler a maquete daquilo que viria a ser o “people’s car”. Hitler tinha pedido a Ferdinand Porsche que concebesse um automóvel capaz de representar os valores da Alemanha, ou seja, fiável, eficiente, honesto (simples), mas que simultaneamente que tivesse um preço acessível, pois pretendia que todos os alemães o pudessem usar para conhecer o seu belo pais, o carro do povo. É assim que inicia a história do modelo automóvel mais vendido de todos os tempos. Não deixa de ser curioso que após a guerra e numa Alemanha falida, os engenheiros da Volkswagen tentassem vender o projecto aos grandes construtores da época, General Motors e Ford, e ambos os fabricantes o tenham rejeitado em absoluto, pois não queriam comercializar um carro assim tão ridículo. A América queria carros grandes, mais potentes, representantes do status e sucesso individual. Mas paradoxalmente foi exactamente em oposição a essa indústria automóvel de então, que o pequeno Volkswagen encontrou o seu espaço de afirmação, junto de uma elite de artistas e intelectuais que rejeitavam o modelo de sociedade preconizado pelos patrões da indústria.

Essa visão foi imortalizada mais tarde pelo Herbie, no filme da Walt Disney, que se transformou no nosso Carocha.




Era um carro honesto, simples, fiável e sobretudo despretensioso.

Este produto deu origem à Marca Volkswagen (marca/produto) que se veio a transformar na marca umbrella do maior construtor de automóveis da Europa e num dos maiores do mundo. Denominada inicialmente Volkswagenwerk Aktiengesellschaft, foi fundada em 1937 pelo governo nazi para produzir o Volkswagen.


type 32



v2



Serie 3



__________________
...idiotice é esperar resultados diferentes para as mesmas acções...
Responder com Quote
  #2  
Antigo 29-12-2009, 0:00
Avatar de Fuchs
Fuchs Fuchs está offline
Fundador
 
Data de Entrada: Sep 2008
Local: Lisboa
Mensagens: 6.727
Padrão

Well done, Sir Francis!
__________________
"Porsche is my drug of choice - Magnus Walker"
Responder com Quote
  #3  
Antigo 29-12-2009, 0:35
Avatar de Ringo
Ringo Ringo está offline
Membro Cappuccino
 
Data de Entrada: Dec 2009
Local: Amares, Braga
Mensagens: 920
Enviar mensagem via MSN para Ringo Enviar mensagem via Skype para Ringo
Padrão

Temos de agradecer ao Hitler a invenção do Carocha!
Responder com Quote
  #4  
Antigo 29-12-2009, 0:54
Avatar de bg2
bg2 bg2 está offline
Moderator
 
Data de Entrada: Oct 2008
Mensagens: 7.531
Padrão

impecável

cumprimentos
Responder com Quote
  #5  
Antigo 29-12-2009, 2:34
Avatar de zico
zico zico está offline
Fundador
 
Data de Entrada: Sep 2008
Mensagens: 10.551
Padrão

Francis:
Muito, muito interessante o tema que aqui trouxeste, que desde já te agradeço e ao qual aproveito para dar o meu contributo.
O movimento holístico é sem dúvida alguma um conceito filosoficamente complexo. Complexo até demais para a minha visão mais básica sobre as coisas. Apercebi-me disso aqui há uns anos atrás quando fiz um tratamento à base de electro-acunpuntura para deixar de fumar. É que o local do tratamento tinha precisamente o nome de “Clínica Holística”. E embora eu tenha sido convidado a tentar compreender a ratio daqueles princípios, a verdade é que, importa referir, o tratamento fracassou. Não só não deixei de fumar como ainda por cima agravei o meu vício. Adiante. No que toca à nossa Volkswagen como marca, enraizada naturalmente na figura do Hitler e do Terceiro Reich, vou contar um episódio curioso que se prende exactamente com o baptismo deste automóvel. É que, como se sabe, não foi este o nome que foi escolhido. A primeira marca do carro do povo foi “KDF WAGEN” e não Volkswagen, e ainda hoje muita gente faz confusão entre ambas e até julga que se referem a carros diferentes, o que não é verdade.

Existe uma fotografia que eu desde sempre venerei e que acho magnífica em termos históricos. Alguns de vocês até já viram uma versão adulterada da mesma que eu às vezes utilizei no passado para criticar os carros italianos. Nesta fotografia (na original, claro - que coloco em baixo) vemos Hitler a dar uma marretada numa pedra com um símbolo esquisito (que é o da KDF), ao mesmo tempo que foi captada a figura de Ferdinand Porsche com uma cara completamente aparvalhada. E a cara dele de espanto tem uma razão de ser e é justificada pelo episódio que está por trás desta carismática fotografia.
Robert Ley e Bodo Lafferentz foram dois dos homens fortes de Hitler no que toca à criação e administração do movimento KDF (Kraft Durch Freude – que significa a força pela alegria) que se ocupava de organizar os lazeres do povo. A tal organização que promoveu os cruzeiros na Madeira. Ora, a KDF era na altura considerada como sendo a única detentora de logística capaz de distribuir o carro do povo, que por sua vez deveria ser financiado pela Frente Laboral Alemã (a Deutsche Arbeitsfront), à qual o segundo personagem referido estava ligado. Em termos jurídicos sucintos, para o arranque do projecto, esta Frente do Trabalho vai constituir uma sociedade de responsabilidade limitada, a GEZUVOR, que era nada mais nada menos do que uma empresa destinada a preparar o início da produção do carro do povo. O Estado entrava na qualidade de promotor, mas posteriormente a empresa seria privatizada sobre outra égide: a Volkswagen, AG.
E o que é que isto tem a ver com o nome da marca “Volkswagen”? tem tudo, pois o objectivo que norteou o projecto inicial, era transformar o automóvel num produto comercial de iniciativa privada, sem o ter que sujeitar ao rótulo de produto político propagandístico.

26 de Maio de 1938 – o dia em que foi tirada a fotografia!
O dia da colocação da primeira pedra da fábrica e das instalações da Volkswagen.
O local retratado é Klieversberg, Wolfsburg e a esta cerimónia pública compareceram mais de 70.000 pessoas oriundas de toda a Alemanha. Ora, sucedeu que uns dias antes, Robert Ley tinha abordado Hitler perguntando-lhe se podia colocar na frente do palanque, uns exemplares do Volkswagen para aparecerem exibidos ao público. Hitler no entanto não autorizou. Disse-lhe que enquanto o carro não estivesse em condições de ser produzido não poderia ser exposto em público. No entanto, mal Lafferentz ouve de Ley esta recusa terá tido o seguinte desabafo: “um verdadeiro SS ter-lhe-ia dito que a Igreja anda há séculos a vender uma mercadoria que não existe”.
Acharam a decisão estúpida e decidiram desafiar a autoridade do Fuher, expondo os carros à sua revelia. Telefonam a Ferdinand Porsche e dizem-lhe para trazer 3 exemplares, da série 60, fabricados pela Mercedes. Ferdinand assim fez. Organizou uma excursão com três camionetas que partiram de Estugarda, com os trabalhadores do seu gabinete e também eles integraram os 600 convidados VIP que tinham lugar no palanque. Desconhecendo a vontade de Hitler e a desobediência dos Oficiais, os trabalhadores da Porsche colocam os Volkswagens em grande destaque. A chegada de Hitler é absolutamente triunfal e no momento em que caminha pela multidão em direcção ao palanque apercebe-se imediatamente que lhe desobedeceram mal consegue vislumbrar os carros. A comitiva pára junto deles em admiração, mas Hitler pura e simplesmente ignora-os e, propositadamente, passa pelos carros sem sequer olhar para eles. Ley, Lafferentz e Porsche engolem em seco.

Quando Hitler toma a palavra aos microfones vai discursar nestes modos: "Um mundo está em gestação. O punho de um ciclope abateu-se sobre o acolhedor país saxão. Mas é um ciclope moderno que compreende o conceito de beleza do trabalho. É aqui que o Reich alemão vai construir a mais moderna e mais bela das cidades para os trabalhadores. Felizes aqueles que fixarem aqui os seus lares". E a seguir, para espanto e consternação das três personagens desobedientes, exclama: “esta viatura terá o nome da organização que mais duramente trabalhou para proporcionar alegria às massas do nosso povo e, por consequência, a força! Chamar-se-á, pois, o carro KDF!" (com a devida vénia ao Saint Loup e ao MRS).
Este baptismo sem que ninguém estivesse a contar, foi um autêntico castigo e uma dura punição, pois Hitler sabia que quer Lafferentz quer Porsche não queriam por nada ver o carro conotado como um produto do partido nazi. Filosofia com a qual o próprio Hitler tinha concordado. Daí que na fotografia vemos Ferdinand Porsche completamente apanhado de surpresa com o nome “KDF”. Naquela altura todos os envolvidos no Projecto referiam-se ao automóvel como o “Volkswagen”. E pior ainda, o logotipo que está na pedra em que Hitler sentencia a sua escolha, vai ser utilizado também no automóvel “KDF”.
A história, porém vai ser outra e a marca “KDF” utilizada nos primeiros automóveis e tudo o que lhe diz respeito (como por exemplo na caderneta dos selos), não vai ser empregue na linguagem corrente do povo que sempre lhe irá chamar carinhosamente de “Volkswagen”. E tanto assim vai ser que este nome natural acabará por se impôr áquele que foi imposto por um acto autoritário do ditador.





Responder com Quote
  #6  
Antigo 29-12-2009, 9:03
K964 K964 está offline
Membro Carioca
 
Data de Entrada: Dec 2009
Mensagens: 40
Padrão

Obrigado aos dois por esta lição de história. Ainda são nove horas e já aprendi alguma coisa hoje.
Responder com Quote
  #7  
Antigo 29-12-2009, 11:34
Avatar de _LM_
_LM_ _LM_ está offline
Membro Cappuccino
 
Data de Entrada: Feb 2009
Local: Braga
Mensagens: 2.241
Enviar mensagem via MSN para _LM_
Padrão

Bem...quando se junta o útil ao agradável.....dá nisto, são 11:34m e já ganhei o dia!

parabéns a ambos
__________________
Power is nothing without Control
Responder com Quote
  #8  
Antigo 29-12-2009, 23:49
Avatar de Desmo
Desmo Desmo está offline
Membro Cappuccino
 
Data de Entrada: Oct 2008
Local: Algarve
Mensagens: 794
Enviar mensagem via MSN para Desmo
Padrão

É o que se chama juntar a fome à vontade de comer

Agora a sério; O Drake focou um aspecto muito interessante, até útil de um ponto de vista técnico, de um modo que eu muito aprecio: compreensivel e objectivo.

Well Done

O nosso Guru do fórum tratou de levar a coisa para outra dimensão. Gostei de conhecer estes detalhes da História, curtos mas sem dúvida decisivos.
Responder com Quote
  #9  
Antigo 30-12-2009, 23:52
Avatar de Ace
Ace Ace está offline
Fundador
 
Data de Entrada: Sep 2008
Mensagens: 7.559
Padrão

Sir Francis e Zico a minha respeitosa e profunda

... e, já que se falou na "caderneta dos selos", acrescento a minha humilde contribuição, sob a forma de um curioso documento*:

As regras estabelecidas para a aquisição de um KdF

1.jpg
2.jpg


* British Inteligenge Objectives Report nº 998-Appendix
Responder com Quote
  #10  
Antigo 31-12-2009, 19:38
Avatar de zico
zico zico está offline
Fundador
 
Data de Entrada: Sep 2008
Mensagens: 10.551
Padrão

Obrigado Armando. Ainda não tinha visto essa versão inglesa.
Deixo aqui mais umas coisas interessantes:

1) A publicidade da época à caderneta dos selos.

2) Um primeiro estudo do logotipo da Volkswagen.
Imagens Anexadas
Tipo de Arquivo: jpg 399788600_48e20b7dd3_b.jpg (97,8 KB, 1 visitas)
Tipo de Arquivo: jpg gh.jpg (97,2 KB, 0 visitas)
Responder com Quote
Responder

Opções do Tópico
Modos de Exibição

Permissões
Você não pode abrir novos tópicos
Você não pode inserir respostas
VocÊ não pode anexar ficheiros
Você não pode edita suas mensagens

BB code é Ligado
Smilies estão Ligado
Código [IMG] está Ligado
Código HTML está Desligado

Ir para...


Horários baseados na GMT. Agora são 20:42.

Direitos Reservados 2009 – www.lehrenkrauscafe.com - O site "LEHERNKRAUSCAFE" e o seu conteúdo, é um site não comercial, de entusiastas, e NÃO é Patrocinado, associado, aprovado, endossado ou de nenhuma forma afiliado com ou pela Dr.Ing. h.c. F.Porsche AG ("PAG"), ou qualquer uma das suas Subsidiárias ou representantes. PORSCHE - PORSCHE CREST - PORSCHE DESIGN - CARRERA - TARGA - TIPTRONIC - PORSCHE SPEEDSTER - VARIORAM - CVTIP - VARIOCAM - BOXSTER - CAYENNE - CAYMAN - TEQUIPMENT - VARRERA - PCM - RS - 4S - PAN AMERICANA - TECHNORAD - PORSCHE BIKE S - PORSCHE BIKE FS - P AND DESIGN - 911 - 356 - 959. THERE IS NO SUBSTITUTE e outros nomes de produtos Porsche, números de modelo, logótipos, símbolos comerciais, nomes de marca, e lemas, são marcas registadas e as formas distintas do automóveis Porsche são propriedade da PAG e estão protegidas pelas leis internacionais de marcas. Todas as fotografias e outros conteúdos neste Site foram obtidas através de canais aprovados ou do domínio público e não tencionam infringir nenhum direito reservado. Caso Você acredite que por qualquer razão este Site possa estar acidentalmente em violação dos seus direitos reservados, contacte-nos e removeremos os respectivos conteúdos de forma imediata.